Salmologia 5#

Experimentado em problemas e aflições, David também era um homem voltado para a reconciliação divina. A religião de David é Deus, porque na verdade, religião[1] é nada mais do que a religação a Deus; o voltar a ter harmonia e paz com Ele.

O salmista pede a Deus que escute as suas palavras, roga que seja escutado o seu discurso e que se possa expressar sobre o que sente. O versículo dois dá-nos a perspectiva do sofrimento daquele momento. Pedir a Deus para considerar o gemer de alguém, é pedir ao Pai que olhe para a ferida de um dos seus filhos e atente bem no seu choro. Mais do que isso, é o clamor de socorro e submissão à majestade e realeza de Deus. Pode existir um choro, uma dor, uma perturbação grande; mas existe também a confiança inequívoca naquele que é o Rei e Deus assumido. David, o rei de Israel, reconhece que o seu reinado está debaixo de um outro reinado. O reinado mortal e finito da humanidade está sempre debaixo do poderio do reinado intemporal e espiritual de Deus…Pode existir dor, mas existe um coração contrito e orientado para Deus. David começa pela manhã a clamar e a orar, a falar com Deus e esperançoso de que vai ouvir a resposta à sua petição. Floresce a confiança no meio do dilúvio de tristeza, porque Deus é aquele que faz separar o mar e parar a Terra em torno do Sol[2]!

A justiça e a grandeza de Deus são reconhecidas, existe intimidade suficiente para o salmista descansar numa certeza… Deus não se alegra na injustiça, Ele não compactua com a presença do pecado e com a antítese da Sua essência. Ser santo porque Ele é santo[3], faz-nos querer ser justos porque Ele é justo[4]! A arrogância da auto-sustentação humana não subsiste perante Deus e todos aqueles que vivem na prática do mal são opositores de Deus[5]. A santidade divina não permite que a falsidade, a mortandade e a traição sejam perpetuadas. Todo aquele que mente é desamigado, quem mata indiscriminadamente é afastado e quem vive na astúcia do enganar o próximo é repelido… Deus não compactua com o oposto e negativo da Sua pessoa. A voluntariedade do pecado agrava a condição do pecador, se existe inimizade com Deus devido a Adão[6], todos estes casos são piorados pela acção própria do Homem.

David reconhece que é pela Graça de Deus, pelo seu imenso amor que pode entrar na presença do Pai. O temor, ou seja, a veneração santa e o respeito pelo poderio e majestade de Deus são elementos que existem e persistem em David. A adoração e confiança na direcção de Deus são também partes deste quadro… É a Graça de Deus que nos dá o acesso à Salvação; que nos permite ser parte do edifício[7] que é a Igreja Universal e Intemporal. Entrar na casa de Deus é entrar na presença d’Ele e no Seu meio o zelo pela santidade é requerido. Aquele que busca a santidade e a presença de Deus, busca-o em adoração, porque reconhece que a Deus deve ser dado todo o louvor e adoração; porque aquele que se humilha perante Deus será exaltado[8]. A justiça de Deus é pura, Deus em si mesmo é justo e bom. Não podemos contemplar a bondade de Deus, se não virmos essa característica com os olhos da justiça… Tudo o que Ele faz, fá-lo por ser justo e bom, mesmo que o nosso quadro e ângulo de visão seja reduzido e não consigamos perceber o porquê, nem o para quê…

David clama por reparação pelo mal feito pelos seus adversários, declara que não são fiáveis, que maquinam a perversidade diariamente e que se preocupam em enganar de modo aparentemente inocente. Um discurso maldoso produz tudo menos vida, tal como Cristo disse, tudo o que sai da boca de um homem procede do seu coração[9]. Aqueles cuja boca é uma teia de enganos e de comentários devastadores, pouco (ou nada edificadores) e destrutivos, são pessoas em quem a vida eterna não abunda. As consequências do pecado e da vida pecaminosa são recolhidas também na existência física do Homem. A doença, as decepções, as vinganças, as frustrações e depressões, são também o troco das acções intentadas contra o nosso irmão e irmã. A rebelião é o segundo passo da Queda, mas ao Homem existe a expulsão da presença de Deus e a marcha a sós pela vida.

Ainda assim, David volta a louvar Deus e a pedir alegria a todos os que se refugiam e confiam no Senhor. Mais do que construir a casa na rocha, é preciso viver nela. Permanecer nos mandamentos de Deus, viver debaixo da Sua direcção e soberania, são opção do homem sábio. No próprio Pai existe felicidade e contentamento para quem O ama. Não amamos Deus pelo que Ele nos dá, mas pelo que Ele é e por quem Ele é. Não porque é o Deus abençoador, mas porque é o Deus da redenção e da vivificação.

Se antes estávamos mortos nos nossos delitos e pecados[10], agora vivemos no ardor do Espírito[11]; para que possamos ver a misericórdia e justiça de Deus a cada dia. O Senhor abençoa aquele que busca uma vida de justiça, aquele que procura a intimidade com Ele, que se deleita na Sua Palavra e que observa as Suas instruções.

Ricardo Rosa

[1] - do latim religare, significando religação com o divino
[2] -Salmos 30:5
[3] - Levítico 11:44
[4] - Deuteronômio 32:4
[5] - Tiago 4:4
[6] - Romanos 5:12
[7] - Efésios 2:19-22
[8] - Mateus 23:12 , Lucas 14:11
[9] - Mateus 15:18
[10] - Efésios 2:1
[11] - Ezequiel 37:14

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda