A mulher insatisfeita

Lá vinha ela. Era meio dia. O sol queimava, mas a vergonha falava mais alto. Naquele tempo a água canalizada era escassa, e pela manhã as mulheres vinham buscar água fresquinha ao poço. Mas ela não fazia parte dessa maioria.

Passou a vida a procurar saciar a sede do coração, de casamento em casamento... mas a cada vez, voltava insatisfeita, como quando bebia a água morna, trazida do poço na hora do calor.

Mas, naquele dia, algo iria acontecer que mudaria a sua vida. Um homem do povo que considerado inimigo do seu, esperava-a junto ao poço. Apesar do calor e das diferenças que os separavam, Ele pediu-lhe água. E a conversa passou da água para a religião, até chegarem à verdadeira sede de amor e significado daquela mulher.

A certa altura “a mulher disse: Eu sei que há de vir o Messias, chamado Cristo, e que quando vier nos explicará tudo. Então Jesus disse-lhe: Sou eu o Cristo. (...) A mulher deixou o balde junto ao poço e, voltando para a aldeia, disse a toda a gente: Venham ver um homem que me disse tudo o que eu fiz! Não será ele o Messias? Então o povo veio a correr da localidade para o ver.” (João 4:25-26, 28-30, OL).

Podemos tentar ser felizes à nossa maneira, procurando que a popularidade, a sedução, o dinheiro, os amigos, o(a) namorado(a), drogas, álcool ou outras coisas nos encham as medidas. Por esse caminho, como aquela mulher, vamos tentando achar algo que nos preencha, seguindo o coração no momento, sem pensar nas consequências... mas elas existem.

Jesus é Aquele que satisfaz a nossa alma sedenta, o nosso coração esfomeado. Ele é o caminho que nos leva ao Pai (João 14:6). E, quando arrependidos das nossas escolhas erradas, dos nossos pecados, e desejosos de viver uma vida transformada por Ele, O seguimos, encontramos não o meio para a nossa satisfação, mas A nossa satisfação: Jesus.

Se ainda não decidiste verdadeiramente viver com e para Ele, faz isso agora. É a melhor decisão que podes tomar!

Estou contigo!


Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, maio 2014

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda