A (des)ilusão da autoajuda

“Autoajuda. Perdoa-te a ti mesmo. Ama-te.” Todas estas estão expressões muito em voga na atualidade. Nunca tanto como hoje, nem na era do Renascimento, se viu um culto à própria pessoa ou ao Humanismo.

O Homem decidiu ser o centro de si mesmo. E tudo o mais que exista, serve para orbitar em torno dele, como um acessório. Esta é uma resposta natural (embora desequilibrada) aos excessos vividos em pleno Séc. XX e às atrocidades dos conflitos armados, problemas económicos e crises humanitárias que o assolaram.

Após épocas marcantes como o advento do laicismo ou o majestoso desenvolvimento da produção industrial em massa, o Homem virou-se para si mesmo. Afinal, porque não o faria? Livrara-se do peso da tradicionalidade religiosa e desenvolvera métodos que o faziam produzir ainda mais e melhor. Os acontecimentos que vieram marcar a humanidade, nas décadas seguintes, como a Grande Depressão, as duas Grandes Guerras ou a proliferação de doenças como o cancro e a SIDA, levaram o ser humano a querer autovalorizar-se e a proteger-se.


O problema com este tipo de pensamento, não se fica apenas pelo excesso de vaidade da auto-valorização. Quando o ser humano se promove como o seu próprio deus, fecha-se hermeticamente num vácuo de auto-adoração. O seu foco coloca-se demasiado em si mesmo e fica cego com tamanho brilho. Aí, não existe proteção sadia que lhe valha. Porque todo o ser humano é falível, estamos perante um perpetuar de falibilidade incessante e um desgaste rápido do Homem. E isso leva a excessos de vida como o consumo de drogas, de álcool, de pornografia e violência… Daí resultam também problemas como a anorexia (tão indiretamente promovida pelas indústrias do cinema e da moda), a glutonaria, o isolamento e por consequência a ascensão das depressões e dos suicídios.

Na ânsia de se querer amar a si mesmo, o Homem tornou-se o seu próprio inimigo. E porquê? Porque não consegue satisfazer-se plenamente. Porque a sua satisfação é efémera, já que é alimentada por coisas efémeras. O ser humano decidiu esquecer Deus, esperando por outro lado, conseguir fazer-se semelhante a Ele. Esta foi a causa do problema de Babel (Génesis 11:1-6), o querer substituir Deus e ser autossuficiente. Foi também parte do problema de Job (Job 6:1-4), no que tocou à autojustificação (Job era realmente um servo fiel e reto, mas só perto do fim do livro é que percebe que quem justifica e valida a nossa vida é Deus). Tudo porque Deus não criou o Homem para ser autossuficiente e independente mas sim para ser relacional e dependente (Génesis 1:27,28a; 1 João 1:3b). Para se relacionar em primeiro lugar com Deus e em segundo lugar com o seu próximo (Lucas 10:27). Para ser dependente, não de vícios ou de maus hábitos, mas sim de um amor inexplicável e intenso (Tiago 1:2-4).

Enquanto não percebermos que não temos capacidade de nos perdoarmos a nós próprios, e que isso é apenas uma miragem e uma deturpação do verdadeiro perdão de que precisamos… vamos continuar com o mesmo caminho amargo. Tudo isto porque, como Paulo escreveu, todos pecámos e estamos afastados da presença gloriosa de Deus (Romanos 3:23). Mas é por causa do Seu amor, do sacrifício de Jesus Cristo na cruz e da restauração de laços entre Deus e o Homem, que hoje podemos viver livres e sem domínio do mal na nossa vida (Romanos 3:24-26, 2ª Coríntios 5:21, Hebreus 9:15).

Precisamos de ir além da cultura da autoajuda. Precisamos de admitir que queremos ajuda e que o nosso Ajudador é Cristo. O amor que temos por nós próprios deve derivar não do que temos ou fazemos, mas daquilo que somos quando nos submetemos a Deus (Efésios 2:8-10). A receita para o nosso valor não se encontra no que os outros dizem, mas naquilo que temos a certeza que Cristo nos traz.

Porque o Reino que Cristo instaura no nosso meio, não é um reino com fronteiras, bélico ou economicista. Mas é um reino de justiça, de paz e de alegria no Espírito Santo (Romanos 14:15b).

Só assim poderemos viver verdadeiramente reconciliados connosco próprios, porque fomos restaurados para viver novamente à imagem e semelhança de Deus. Em caridade e comunhão, com Ele e com os outros.


Ricardo Rosa

in revista BSteen, setembro 2016. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral