Tempo livre

Férias! Que bom! Depois de um ano de estudo intenso (espero eu!), chegou o tempo de descanso. Bom, se não houvesse trabalho/estudo, provavelmente as férias não tinham o mesmo sabor, não achas?

Há quem diga que o trabalho é uma maldição por causa do pecado. ERRADO! Antes de Adão pecar já Deus lhe tinha dado a tarefa de cuidar do jardim (Génesis 2:15). Depois do homem desobedecer a Deus, o trabalho passou a exigir esforço (Génesis 3:17-19).

Sabes, Deus não inventou apenas o trabalho.. também inventou o descanso (podes ler em Génesis 2:2)! Será que Deus estava cansado? Claro que não! Deus criou este princípio para nos ensinar a depender d’Ele, a tirar um tempo especial para descansarmos e dedicarmos a Ele na nossa semana (Génesis 2:3; Êxodo 20:8-10).

Como em todas as coisas, podemos tornar-nos exagerados: hiperativos ou preguiçosos. Deus quer que tenhamos equilíbrio: tempo para estudar, tempo para descansar, tempo para orar, tempo para estar com amigos, tempo para a família, tempo para a igreja. O mais importante é sabermos que Ele nos deu o tempo e a energia que temos para usar bem.

Aprende a descansar: desliga o telemóvel de vez em quando, e aproveita o tempo com a família, a ler ou a passear na rua (sem passar o caminho todo a tagarelar com quem está do outro lado!)... e não sejas “Facebook-dependente”.

Aprende também a confiar em Deus, sempre, mesmo quando vem o desemprego dos pais ou parece que não tens futuro. Faz sempre a tua parte para ajudar em casa e para teres boas notas na escola, mas lembra-te que a tua vida pertence a Deus: descansa n’Ele!

“Não alimentem preocupações seja pelo que for; antes apresentem os vossos cuidados em oração perante Deus, exponham-lhe todas as vossas necessidades, sem esquecer de lhe expressar o vosso agradecimento.” (Filipenses 4:6, OL).

Ana Ramalho Rosa

in revista BSteen, agosto 2013

Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda