Caricatura divina

Existe uma tendência humana e cada vez mais actual de caricaturar Jesus. Naim Ateek, cónego palestino e anglicano na Catedral de S. Jorge em Jerusalém, caricaturou Jesus de Nazaré como "o palestiniano sem poder, humilhado num posto de controlo"[1].

Mikhail Gorbachev e Hugo Chavez descreveram Jesus como "o primeiro socialista" e "o maior socialista em toda a História"[2], respectivamente. Por outro lado, Jon Moseley crava em Cristo o crivo de capitalista[3,4].

Existem dezenas de imagens e caricaturas, centenas de associações de X a Cristo, numa tentativa de corroborar virtude de alguém. Mas cada vez mais se repete por repetir ou então se esquece propositadamente aquilo que Cristo verdadeiramente é. Ele não só é Deus e Senhor[5], como também é Redentor[6] e Consolador[7]. Apelar à natureza humana de Cristo não é motivo para nos escusarmos a meditar na Sua divindade. Porque foi pela Encarnação (uma obra divina) que a natureza humana foi também exaltada.

Não se trata de reconhecer a primazia de Cristo nos meandros da Filosofia, Economia, Política ou qualquer outra ciência. Trata-se de reconhecer que Ele está acima do Homem, que a exaltação em massa digna de likes numa qualquer rede social aquando da chegada a Jerusalém num jumento foi apenas o começar de horas de agrura. Agrura essa que resulta na nossa cura e libertação da doença mais mortal de sempre: o pecado.

Podemos querer atribuir a Cristo vários títulos, várias posições; mas nada será tão digno como aquilo que Ele é por natureza: perfeito, sempre eterno com o Pai e o Espírito, o Cordeiro da Páscoa cujo sangue lava a interminável nódoa que o pecado provocou...

A Cristo pertence a Cruz, a Ele é dada glória e honra e todo o poder. Se exaltamos os homens pelas suas virtudes práticas, Cristo inverte tudo isso e mostra que a exaltação é merecida por aqueles que se despojam e se humilham, tal como Ele[8].

Não podemos dizer que Cristo foi o primeiro anarquista, quando na verdade Ele oficializa na prática um Reino ordeiro e com base na lei da perfeita graça. Não podemos dizer que Cristo foi o primeiro hipster[9], quando falhamos em perceber que o "problema" que Ele combatia não era a cultura mas sim o afastamento espiritual de Deus em direcção à construção religiosa humana. Filho de Deus, filho de judeu, Jesus de Nazaré aprendeu aos pés dos mestres religiosos tal como aprendeu em intimidade com o Pai.

Se queremos pintar algum retrato que represente Jesus de modo fiel e digno, devemos olhar mais para a Cruz e menos para a manjedoura, mais para a desfiguração dolorosa do pecado e menos para o Monte da Transfiguração. Olhar mais para o homem de dores descrito por Isaías e menos para o Cristo dos artistas leva-nos a contemplar a Sua verdadeira essência. Um Deus que ama, um Deus de chora, um Deus que dá o que de melhor tem para reunir consigo quem antes Lhe havia voltado as costas em desobediência arrogante.

Cristo veio até nós para nos salvar do pecado, não para servir como modelo comportamental, muito embora seja Ele o paradigma pelo qual nos devemos guiar de modo a honrar o Pai. Não é apenas um homem sábio, um líder motivacional, um filósofo à frente no Seu tempo. Arrisco dizer que nada disso foi, embora se continue a dizer que sim. Lembramos com facilidade o sucesso e por isso pegamos no Cristo vitorioso, esquecendo a agonia do Getsemani, as tentações humanas e as lutas diárias. O autor e consumador da nossa fé[10] é que estabelece o padrão dourado e nos dá a imagem de quem é. Rei dos reis, Senhor dos Senhores[11] mas ao mesmo tempo Deus Filho de quem escarneceram[12], a quem açoitaram[13] e crucificaram[14].

Ele deu-Se a uma tortura digna de causar repulsa à Amnistia Internacional, para restaurar o que outrora fora cortado por Adão: a ligação de intimidade entre o Pai e nós. Não Se escudou na personalidade mística de um agitador social ou no ascetismo nacionalista, mas foi o bom Pastor que apascentou, cuidou e alimentou as Suas ovelhas[15]. Não foi um elitista teológico trancado numa torre de marfim, rodeado de inquiridores socialmente bem vistos; antes comeu e bebeu com aqueles que foram marginalizados por serem escândalo naquela sociedade. Cristo é a comutação da caricatura para a obra de arte, a transformação de uma má concepção humana (Israel ainda hoje aguarda o Messias guerreiro) na visualização da plena obra de Deus (Emanuel, Deus feito homem, viveu no nosso meio).

Podemos tirar Cristo da Cruz, mas não podemos tirar a Cruz de Cristo.
Não façamos algo que nem Deus Pai fez, na tentativa de emoldurar melhor o retrato do Deus Filho. Porque aquele que é desde o princípio dos tempos, que é uno com o Pai e o Espírito e que é a Vida Eterna[16] não Se pode conter dentro de uma descrição simplista e limitativa. Tanto quanto não foi possível a morte mantê-Lo preso nela, não nos é possível encaixotar totalmente Jesus dentro dos limites da compreensão humana.

Ricardo Rosa

[1] http://www.midiasemmascara.org/artigos/religiao/14599-jesus-o-palestino.html; [2] http://www.newstatesman.com/religion/2010/12/jesus-god-tax-christ-health; [3] http://www.huffingtonpost.com/joel-l-watts/the-economics-of-jesus_b_4373835.html; [4] http://www.wnd.com/2013/12/jesus-christ-is-a-capitalist/; [5] João 20:28; [6] Isaías 59:20; [7] Hebreus 13:6; [8] Mateus 20:26-28; [9] http://oglobo.globo.com/blogs/pagenotfound/posts/2013/04/26/jesus-foi-primeiro-hipster-494630.asp; [10] Hebreus 12:2[11] Apocalipse 17:14[12] Mateus 27:29; [13] João 19:1; [14] Mateus 25:37; [15] João 10:11; [16] 1 João 5:20


in revista Novas de Alegria, novembro 2010


Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”