O Natal passado

Uma das sagas mais marcantes da minha adolescência/juventude foram os filmes “Regresso ao futuro” – se não conheces pergunta aos teus pais. A ideia presente era a possibilidade de avançar e retroceder no tempo e mudar o rumo da vida dos personagens. Já pensaste se isso fosse mesmo possível? Podemos voltar atrás para reparar algum erro que cometemos ou avançarmos para conhecermos o futuro? 

Como sugere o título, vamos falar aqui do passado. A verdade é que o que passou, passou... não temos esse poder fantasiado nos filmes de retroceder no tempo, seja para corrigir alguma coisa, seja para reviver momentos tão felizes que gostávamos que nunca mais fossem acabar.



Quando chegamos a esta época, o Natal, há um misto de emoções que paira no ar. Por um lado, podemos recordar bons momentos – a emoção quando íamos decorar a árvore, a família toda reunida, a expectativa que antecedia a abertura dos presentes. Por outro lado, podemos ter algumas memórias que gostaríamos que não tivessem acontecido – aquele primeiro Natal depois do falecimento de um avô, quando pela primeira vez a família não pôde estar junta devido à separação dos pais, ou porque naquele anos emigraram, e ficou aquele vazio.

Não podemos voltar ao passado e reviver as boas memórias ou apagar as situações mais difíceis. Estamos aqui e agora. Temos um futuro pela frente. O que fazer então com o Natal passado? A resposta é: voltar ao primeiro Natal. Tu e eu não estávamos lá, mas havia quem estivesse. Foi um momento tão importante para a história da humanidade – para a tua e a minha história – que ficou registado para a posteridade. Natal significa nascimento... e nesta época celebramos um nascimento especial, único e marcante.

Quando fomos criados por Deus, Ele desejava que nos relacionássemos sempre com Ele, mas deu ao ser humano liberdade de escolha. Ao escolher viver de costas voltadas para Deus, o Homem rebelou-se contra Ele. Assim, criou um problema que não podia resolver por si mesmo – a humanidade ficou separada do seu Criador e da vida que Ele dá. Ninguém era suficientemente bom para poder pagar pelos erros de todos, por isso, Deus enviou Jesus – o Filho de Deus – que nasceu como cada um de nós. Jesus, 100% Homem e 100% Deus, era o único que o podia fazer por ser humano como nós mas perfeito, pois é Deus. E Ele veio. Ele nasceu. E assim aconteceu o primeiro Natal (podes ler o registo do primeiro Natal na Bíblia, nos Evangelhos segundo Mateus, Marcos e Lucas)

Como foram os teus “natais passados”? Quais as memórias que guardas? Sejam quais forem, o meu desafio é que deixes que hoje seja Natal – o verdadeiro e genuíno – na tua vida. Permite que Jesus seja o centro do teu coração, das tuas decisões e ações. Entrega o teu passado a Jesus e deixa-O reescrever a tua história daqui para a frente. Que o teu Natal deste ano seja o primeiro Natal a sério, como o primeiro dos primeiros, naquela noite em Belém. “Não tenham medo! Venho aqui trazer-vos uma boa nova que será motivo de grande alegria para todo o povo. Pois nasceu hoje, na cidade de David, o vosso Salvador que é Cristo, o Senhor!” (Lucas 2:9-10, BPT)

Ana Ramalho Rosa



in revista BSteen, dezembro 2016. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

“Tá a escaldar!”